Pope Francis

Sunday, 30 November 2014

Senza Pagare: Lutar contra a soberba

27/11/2014 Pope Francis (@Pontifex): the measure of faith

Love is the measure of faith.

Pope Francis ()

27/11/2014 Papa Francisco (@Pontifex_pt): a medida da fé

O amor é a medida da fé.

Papa Francisco )

27/11/2014 Papa Francisco (@Pontifex_es): la medida de la fe

El amor es la medida de la fe.

Papa Francisco ()

27/11/2014 Pape François (@Pontifex_fr): la mesure de la foi

L’amour est la mesure de la foi.

Pape François (

27/11/2014 Papa Francesco ‏(@Pontifex_it): la misura della fede

L’amore è la misura della fede.

Papa Francesco (@Pontifex_it)

Wednesday, 26 November 2014

The practice of Humility - 8

As far as possible, keep yourself in silence and recollection; but do it without causing inconvenience to others, and when you have to speak, do so always with reserve, modesty and simplicity.
If you are not listened to, either through contempt or for any other reason, do not show resentment; rather, accept this humiliation and bear it with resignation and tranquillity.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

Monday, 24 November 2014

The practice of Humility - 7

Do not think of acquiring humility without these particular practices proper to it: acts of meekness, patience, obedience, mortification, self-hatred, detachment from your feelings and opinions, contrition for your sins, and many others.  These alone are the weapons capable of destroying in you the kingdom of self-love, that corrupted ground where all vices sprout, where your pride and presumption take root and thrive.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

22/11/2014 Papa Francesco ‏(@Pontifex_it): il volto di Dio

Quando noi incontriamo una persona veramente bisognosa, riconosciamo in lei il volto di Dio?

Papa Francesco (@Pontifex_it)

The practice of Humility - 6

Think often that sooner or later you will have to die; that your body will have to rot in a trench.  Have always before your eyes the inexorable tribunal of Jesus Christ, before which all will necessarily have to appear; meditate on the eternal pains of hell prepared for the wicked and especially for the followers of Satan – the proud.
There is an impenetrable veil hiding the divine judgments from human eyes; consider seriously that the result is uncertain; – will you be among the damned?  These will be plunged into the place of torments, in the company of the demons for all eternity, to the fire enkindled by divine justice.  This uncertainty alone should be enough to keep you in the utmost humility and to instill in you the most salutary fear.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

Sunday, 23 November 2014

23/11/2014 Papa Francisco (@Pontifex_es): el rostro de Dios

Cuando vemos que alguien pasa realmente necesidad ¿reconocemos en él el rostro de Dios?

Papa Francisco ()

The practice of Humility - 5

Consider that there is no crime –no matter how enormous and detestable it may be– to which your nature is not inclined; no sin you may not commit.  And remember that you have been set free from such until now only through the mercy of God and the help of his grace.  As St Augustine wrote: “There is no sin in the world committed by one man which cannot be committed by another, should the hand which made man fail to sustain him.”#1
Cry wholeheartedly over such a deplorable state, and resolve firmly to include yourself among the most unworthy sinners.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

Saturday, 22 November 2014

O Papa Francisco explica o que significa ser santo

Palavras do Papa Francisco, 19 de Novembro de 2014

Prezados irmãos e irmãs, bom dia!

Um grande dom do Concílio Vaticano II foi ter recuperado uma visão de Igreja fundada na comunhão e ter voltado a entender também o princípio da autoridade e da hierarquia em tal perspectiva. Isto ajudou-nos a compreender melhor que, enquanto baptizados, todos os cristãos têm igual dignidade diante do Senhor e são irmanados pela mesma vocação, que é a santidade (cf. Const. Lumen gentium, 39-42). Agora, interroguemo-nos: em que consiste esta vocação universal a sermos santos? E como a podemos realizar?
Antes de tudo, devemos ter bem presente que a santidade não é algo que nos propomos sozinhos, que nós obtemos com as nossas qualidades e capacidades. A santidade é um dom, é a dádiva que o Senhor Jesus nos oferece, quando nos toma consigo e nos reveste de Si mesmo, tornando-nos como Ele é. Na Carta aos Efésios, o apóstolo Paulo afirma que «Cristo amou a Igreja e se entregou por ela para a santificar» (Ef 5, 25-26). Eis que, verdadeiramente, a santidade é o rosto mais bonito da Igreja, o aspecto mais belo: é redescobrir-se em comunhão com Deus, na plenitude da sua vida e do seu amor. Então, compreende-se que a santidade não é uma prerrogativa só de alguns: é um dom oferecido a todos, sem excluir ninguém, e por isso constitui o cunho distintivo de cada cristão.
Tudo isto nos leva a compreender que, para ser santo, não é preciso ser bispo, sacerdote ou religioso: não, todos somos chamados a ser santos! Muitas vezes somos tentados a pensar que a santidade só está reservada àqueles que têm a possibilidade de se desapegar dos afazeres normais, para se dedicar exclusivamente à oração. Mas não é assim! Alguns pensam que a santidade é fechar os olhos e fazer cara de santinho! Não, a santidade não é isto! A santidade é algo maior, mais profundo, que Deus nos dá. Aliás, somos chamados a tornar-nos santos precisamente vivendo com amor e oferecendo o testemunho cristão nas ocupações diárias. E cada qual nas condições e situação de vida em que se encontra. Mas tu és consagrado, consagrada? Sê santo vivendo com alegria a tua entrega e o teu ministério. És casado? Sê santo amando e cuidando do teu marido, da tua esposa, como Cristo fez com a Igreja. És baptizado solteiro? Sê santo cumprindo com honestidade e competência o teu trabalho e oferecendo o teu tempo ao serviço dos irmãos. «Mas padre, trabalho numa fábrica; trabalho como contabilista, sempre com os números, ali não se pode ser santo...». «Sim, pode! Podes ser santo lá onde trabalhas. É Deus quem te concede a graça de ser santo, comunicando-se a ti!». Sempre, em cada lugar, é possível ser santo, abrir-se a esta graça que age dentro de nós e nos leva à santidade. És pai, avô? Sê santo, ensinando com paixão aos filhos ou aos netos a conhecer e a seguir Jesus. E é necessária tanta paciência para isto, para ser um bom pai, um bom avô, uma boa mãe, uma boa avó; é necessária tanta paciência, e é nesta paciência que chega a santidade: exercendo a paciência! És catequista, educador, voluntário? Sê santo tornando-te sinal visível do amor de Deus e da sua presença ao nosso lado. Eis: cada condição de vida leva à santidade, sempre! Em casa, na rua, no trabalho, na igreja, naquele momento e na tua condição de vida foi aberto o caminho rumo à santidade. Não desanimeis de percorrer esta senda. É precisamente Deus quem nos dá a graça. O Senhor só pede isto: que permaneçamos em comunhão com Ele e ao serviço dos irmãos.
Nesta altura, cada um de nós pode fazer um breve exame de consciência, podemos fazê-lo agora, e cada qual responda dentro de si mesmo, em silêncio: como respondemos até agora ao apelo do Senhor à santidade? Desejo ser um pouco melhor, mais cristão, mais cristã? Este é o caminho da santidade. Quando o Senhor nos convida a ser santos, não nos chama para algo pesado, triste... Ao contrário! É o convite a compartilhar a sua alegria, a viver e a oferecer com júbilo cada momento da nossa vida, levando-o a tornar-se ao mesmo tempo um dom de amor pelas pessoas que estão ao nosso lado. Se entendermos isto, tudo mudará, adquirindo um significado novo, bonito, um significado a começar pelas pequenas coisas de cada dia. Um exemplo. Uma senhora vai ao mercado para fazer as compras, encontra uma vizinha, começam a falar e então chegam as bisbilhotices, e a senhora diz: «Não, não falarei mal de ninguém!». Este é um passo rumo à santidade, ajuda-nos a ser santos! Depois, em casa, o filho pede para te falar das suas fantasias: «Oh, estou muito cansado, hoje trabalhei tanto...». «Mas acomoda-te e ouve o teu filho que precisa disto!». Acomoda-te e ouve-o com paciência: é um passo rumo à santidade. Depois, acaba o dia, todos estamos cansados, mas há a oração. Recitemos uma prece: também este é um passo para a santidade. Então, chega o domingo e vamos à Missa, recebamos a Comunhão, às vezes precedida por uma boa confissão, que nos purifica um pouco! Este é outro passo rumo à santidade. Depois, pensemos em Nossa Senhora, tão boa e bela, e recitemos o Rosário. Também este é um passo para a santidade. Então, vou pelo caminho, vejo um pobre, um necessitado, paro, faço-lhe uma pergunta, dou-lhe algo: é um passo rumo à santidade! São pequenas coisas, mas muitos pequenos passos para a santidade. Cada passo rumo à santidade fará de nós pessoas melhores, livres do egoísmo e do fechamento em nós mesmos, abertos aos irmãos e às suas necessidades.
Caros amigos, a primeira Carta de são Pedro dirige-nos esta exortação: «Como bons dispensadores das diversas graças de Deus, cada um de vós ponha à disposição dos outros o dom que recebeu: a palavra, para anunciar as mensagens de Deus; um ministério, para o exercer com uma força divina, a fim de que em todas as coisas Deus seja glorificado por Jesus Cristo» (4, 10-11). Eis o convite à santidade! Aceitemo-lo com alegria e sustentemo-nos uns aos outros porque o caminho para a santidade não o percorremos sozinhos, cada qual por sua conta, mas juntos, no único corpo que é a Igreja, amada e santificada pelo Senhor Jesus Cristo. Vamos em frente com ânimo, neste caminho da santidade.

(http://www.opusdei.pt/pt-pt/article/papa-francisco-explica-o-que-significa-ser-santo/)

The practice of Humility - 4

Have always impressed upon your spirit the memory of your past sins.  Be convinced that the sin of pride is such an abominable evil that it is unsurpassed by any other on earth or within hell.  This was the sin which caused the fall of the angels in heaven into the abyss; this was the sin which corrupted the entire human race and drove upon the earth the infinite crowd of evils which will last as long as the world, or rather as long as eternity.
Moreover, a soul loaded with sins is only worthy of hatred, contempt, torments; thus, see how much you can esteem yourself after having become guilty of so many sins.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

22/11/2014 Pape François (@Pontifex_fr): le visage de Dieu

Quand nous rencontrons une personne qui est vraiment dans le besoin, reconnaissons-nous en elle le visage de Dieu?

Pape François (

Friday, 21 November 2014

20/11/2014 Papa Francesco ‏(@Pontifex_it): vivere in maniera sempre degna della nostra vocazione cristiana

Cerchiamo di vivere in maniera sempre degna della nostra vocazione cristiana.

Papa Francesco (@Pontifex_it)

The practice of Humility - 3

Think often of your weakness, blindness, cowardice, and hardness of heart, of your sensuality, insensitivity towards God, and attachment to creatures, of the many other vicious inclinations welling up from your perverted nature.  May these considerations plunge you continually into your nothingness, and remind you of how small and humble you must always be in your own eyes.

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

Wednesday, 19 November 2014

The practice of Humility - 2

Develop a profound awareness of your nothingness and make this grow constantly in your heart, despite and in contempt of the pride prevailing in you. Be intimately convinced that there is no more vain and ridiculous thing in the world than the desire to be esteemed for some gifts you have borrowed from the Creator; he has lent them to you gratuitously and generously.  As the Apostle says, “If you have received them, why are you boasting as if they were your own?” (1 Cor 4:7).

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

Calma, deixa correr o tempo

Estás intranquilo. – Olha: aconteça o que acontecer na tua vida interior ou no mundo que te rodeia, nunca te esqueças de que a importância dos acontecimentos ou das pessoas é muito relativa. – Calma. Deixa correr o tempo; e, depois, olhando de longe e sem paixão os factos e as pessoas, adquirirás a perspectiva, porás cada coisa no seu lugar e de acordo com o seu verdadeiro tamanho. Se assim fizeres, serás mais justo e evitarás muitas preocupações. (Caminho, 702)

Tuesday, 18 November 2014

The practice of Humility - 1

Open the eyes of your soul and realize that you have no good of your own which can make you believe that you are something.  Only sin, weakness, and misery are yours.  The gifts of nature and grace which are in you all come from God, who is the principle of your being, thus, only to him does glory belong. 

J. Pecci (later Pope Leo XIII)

18/11/2014 Pope Francis (@Pontifex): May we learn to be silent

There is so much noise in the world! May we learn to be silent in our hearts and before God.

Pope Francis ()

Monday, 17 November 2014

Is Pope Francis optimistic about the Church in China?

Whilst open to acts of good will, the pontiff reiterated the relevance of Benedict XVI's Letter to Chinese Catholics. He also deplored the bishops' lack of freedom, making it clear that dialogue requires openness as well as coherent values. Christians are never pessimistic because they know that everything is in the hands of Providence. It would also be wrong to give up fidelity for immediate results.

(http://www.asianews.it/news-en/Is-Pope-Francis-optimistic-about-the-Church-in-China-32718.html)

For Indonesian Bishops, Evangelii Gaudium is the way for a missionary Church

The Bishops' Conference renews the pastoral and missionary journey along the lines laid out by Pope Francis. Multiculturalism, interfaith dialogue and commitment to the poor and marginalised are the priorities of the local church. The bishops also express hope to see an apostolic visit during Indonesian Youth Day in Manado in 2016.

(http://www.asianews.it/news-en/For-Indonesian-Bishops,-Evangelii-Gaudium-is-the-way-for-a-missionary-Church-32721.html)

Sunday, 16 November 2014

Tu, sempre tu, sempre o que é 'teu'

Egoísta! – Tu, sempre tu, sempre o que é "teu". – Pareces incapaz de sentir a fraternidade de Cristo: nos outros, não vês irmãos; vês "degraus". Pressinto o teu rotundo fracasso. – E, quando te tiveres afundado, quererás que tenham para contigo a caridade que agora não queres ter. (Caminho, 31)

Repito-vos com S. Paulo: ainda que eu falasse as línguas dos homens e a linguagem dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que ressoa ou como o címbalo que tine. E ainda que eu tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e possuísse toda a ciência, e tivesse toda a fé, de modo a mover montanhas, se não tiver caridade, não sou nada. E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres e entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, nada me aproveita.

La importancia de la globalización de la solidaridad

Cuando el dinero se vuelve el fin y la razón de toda actividad e iniciativa, entonces prevalecen la óptica utilitarista y las lógicas salvajes del provecho, que no respeta a las personas, con la consiguiente caída de los valores de la solidaridad y del respeto de la persona humana. Los que trabajan en los diversos ámbitos de la economía y de la finanza están llamados a cumplir opciones que favorezcan el bienestar social y económico de toda la humanidad, ofreciendo a todos la oportunidad de realizar su propio desarrollo. Los animo a obrar siempre responsablemente, favoreciendo relaciones de lealtad, de justicia y de fraternidad, afrontando con valentía, sobre todo los problemas de los más débiles y de los más pobres. No basta dar respuestas concretas a las demandas económicas y materiales. Hay que suscitar y cultivar una ética de la economía, de la finanza y del trabajo. Hay que mantener vivo el valor de la solidaridad - esta palabra que corre el riego de ser borrada del diccionario -  como actitud moral, expresión de la atención hacia el otro en todas sus legítimas exigencias. Si queremos entregar mejorado, a las generaciones futuras, el patrimonio ambiental, económico, cultural y social que hemos heredado, estamos llamados a asumirnos la responsabilidad de trabajar para impulsar una globalización de la solidaridad. La solidaridad es una exigencia que mana de la misma de red de interconexiones  que se desarrollan con la globalización. Y la Doctrina Social de la Iglesia nos enseña que el principio de solidaridad se  realiza en armonía con el de la subsidiaridad. Gracias al efecto de estos dos principios los procesos van al servicio del hombre y crece la justicia, sin la cual no puede haber paz verdadera y duradera.

Papa Francico, 15-11-2014

15/11/2014 Pope Francis (@Pontifex): A Christian brings peace, love, kindness, faithfulness and joy

A Christian brings peace to others. Not only peace, but also love, kindness, faithfulness and joy.

Pope Francis ()

Saturday, 15 November 2014

Kingdom of God is hidden in the sanctity of daily life

In his homily at morning Mass on November 13, Pope Francis said that the Kingdom of God is growing silently, in the hidden holiness of families who work and pray and suffer, offering to God their small daily crosses.

(http://www.opusdei.org.in/) 

Tuesday, 11 November 2014

The secret, which is hidden from so many, of something great and new: Love

It is in the simplicity of your ordinary work, in the monotonous details of each day, that you have to find the secret, which is hidden from so many, of something great and new: Love.

(Saint Josemaría) 

(http://www.opusdei.org.in/)

Sunday, 9 November 2014

Hospitality

A spirituality of hospitality included gratitude for persons, including oneself, created in the image of God. Patience and the ability to keep silent were necessary here as elsewhere.

Christian listening depended on openness to the other.

Helping the poor was understood by many as giving them a hand from above and pulling them up. But for Pope Francis, it meant sharing the situation of poor and marginalised people and joining hands with them there on an upward path.

Hence Pope Francis’s emphasis on mercy, a virtue described as “entering into the chaos of the life of another”.

9/11/2014 Pope Francis (@Pontifex): a culture of encounter, solidarity and peace

I ask all people of goodwill to help build a culture of encounter, solidarity and peace.

Pope Francis ()

We need bridges, not walls!

“Wherever there is a wall, there is a closed heart. We need bridges, not walls!”

Pope Francis, 9 November 2014

O que para você pode parecer o fim

Ninguém passa pela tua vida por engano

Images intégrées 1

Amar a Deus com perfeição

Não é compatível amar a Deus com perfeição e deixar-se dominar pelo egoísmo – ou pela apatia – na relação com o próximo. (Sulco, 745)

Na terra há apenas uma raça

Na terra há apenas uma raça: a raça dos filhos de Deus. Todos devemos falar a mesma língua: a língua que se manifesta em afectos do coração, em decisões de rectidão de vida, de bem-fazer, de alegria, de paz. (Cristo que passa, 13)

8/11/2014 Pope Francis (@Pontifex): announce the Gospel

The Church is ever on a journey, seeking new ways to announce the Gospel.

Pope Francis ()

Saturday, 8 November 2014

O que o Senhor nos pede

O que o Senhor nos pede: a vontade de querer amá-Lo com obras, nas coisas pequenas de cada dia. Se venceste no pequeno, vencerás no grande. (Via Sacra, 3ª Estação, n. 2)

Meditação: tempo fixo e a hora fixa

Meditação: tempo fixo e a hora fixa. Se não, adapta-se à nossa comodidade; e isso é falta de mortificação. E a oração sem mortificação é pouco eficaz. (Sulco, 446)

Oração

A verdadeira oração, a que absorve todo o indivíduo, não a favorece tanto a solidão do deserto como o recolhimento interior. (Sulco, 460)

Nunca perder o ponto de mira sobrenatural

Um remédio contra essas tuas inquietações: ter paciência, rectidão de intenção e olhar as coisas com perspectiva sobrenatural. (Sulco, 853)

Problema pessoais

A maior parte dos que têm problemas pessoais, "têm-nos" pelo egoísmo de pensar em si próprios. (Forja, 310)

A maioria dos obstáculos para a nossa felicidade nascem de uma soberba mais ou menos oculta. (Amigos de Deus, 249)

Tuesday, 4 November 2014

Always pray

Always pray.

Amor verdadeiro é sair de si mesmo

A alegria cristã não é fisiológica: o seu fundamento é sobrenatural, e está por cima da doença e da contradição. Alegria não é alvoroço de guizos ou de baile popular. A verdadeira alegria é algo mais íntimo: algo que nos faz estar serenos, transbordantes de gozo, mesmo que, às vezes, o rosto permaneça grave. (Forja, 520)

Há quem viva amargurado todo o dia. Tudo lhe causa desassossego. Dorme com uma obsessão física: a de que essa única evasão possível lhe vai durar pouco. Acorda com a impressão hostil e descorçoada de que já tem outra jornada pela frente...

Amor verdadeiro é sair de si mesmo, entregar-se. O amor traz consigo a alegria, mas é uma alegria que tem as suas raízes em forma de cruz. Enquanto estivermos na terra e não tivermos chegado à plenitude da vida futura, não pode haver amor verdadeiro sem a experiência do sacrifício, da dor. Uma dor de que se gosta, amável, fonte de íntimo gozo, mas dor real, porque significa vencer o nosso egoísmo e tomar o amor como regra de todas e cada uma das nossas acções. (Cristo que passa, 43)

(http://www.opusdei.pt/pt-pt/dailytext/)

Sunday, 2 November 2014